O TRABALHO DE CAMPO ENQUANTO EXPERIÊNCIA DE ENSINO DOS CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA URBANA EM UM CONTEXTO ESCOLAR DE PRECARIZAÇÃO

  • Guilherme Pereira Cocato Universidade Estadual de Londrina
  • Douglas Vitto Universidade Estadual de Londrina

Resumo

São inúmeras as atividades elaboradas em prol de um ensino geográfico significativo, crítico e transformador. Mas, por diversas razões - políticas, econômicas, estruturais e subjetivas - a maior parte das práticas pedagógicas atuais ainda se encontram presas ao ambiente rígido da sala de aula tradicional e à concepção do professor como detentor do conhecimento. A partir de uma oportunidade de regência no ensino fundamental, no Colégio Estadual Paulo Freire em Londrina/PR, optou-se por utilizar a metodologia de trabalho de campo como um dos elementos passíveis de transformação desta realidade. Iniciando com os conteúdos teóricos da temática urbana, em uma abordagem geográfica, culminou-se no trabalho de campo como atividade síntese e que melhor poderia relacionar as questões construídas abstratamente em sala de aula com sua correspondência concreta nos espaços urbanos do cotidiano dos discentes. Tecendo uma discussão multiescalar, do entorno do colégio aos amplos movimentos do capitalismo neoliberal globalizado, têm-se como questões de debate: o entendimento da precarização do ensino como intencionalmente conduzida a partir de uma lógica orientada pelo mercado; e a transformação do trabalho de campo, de uma atividade subutilizada, para um instrumento de construção crítica e concreta do conhecimento, em especial no ensino de Geografia.

PALAVRAS-CHAVE

Trabalho de campo, Ensino de Geografia, Geografia Urbana, Precarização do ensino.

Publicado
2020-01-27