ATLAS ELETRÔNICO MUNICIPAL COMO ALTERNATIVA DIDÁTICA PARA A CARTOGRAFIA ESCOLAR

Autores

  • Angélica Cirolini Universidade Federal de Pelotas
  • Roberto Cassol Universidade Federal de Santa Maria
  • Alexandre Felipe Bruch Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.46789/edugeo.v11i21.825

Resumo

A alfabetização cartográfica é fundamental para o ensino de Geografia, uma vez que, para ler o espaço, o estudante necessita interpretar mapas, imagens e outras representações geográficas. Nos últimos anos, foram desenvolvidos muitos materiais didáticos envolvendo atividades lúdicas que despertam a curiosidade e o interesse dos alunos. Pensando na Cartografia Escolar, os Atlas Eletrônicos surgem com uma abordagem inovadora e maior interação entre os conteúdos trabalhados e a realidade local. O aluno é instigado a realizar uma análise crítica do seu espaço vivido, ora construindo-o, ora desconstruindo-o, através da observação dos elementos socioambientais, fazendo com que no aluno seja despertado maior interesse pelo estudo do espaço geográfico. Nesta perspectiva, teve-se o objetivo de abordar a importância do estudo do espaço local na perspectiva da cartografia escolar a partir da elaboração de um Atlas Eletrônico e Socioeconômico. Para isso, realizou-se um estudo de caso no município de Restinga Sêca, RS. Metodologicamente, considerou-se como unidade de análise espacial o município constituído por seus setores censitários. O Atlas possui uma interação parcial com o usuário, possibilitando a manipulação de um conjunto de mapas com temas predefinidos, e é composto por recursos de multimídia, com textos, imagens e animações. Desta forma, verificou-se maior interatividade no ensino da Geografia, articulando o conteúdo proposto com o espaço vivido pelo aluno.

Palavras-chave

Cartografia Escolar, Atlas Eletrônico, Ensino de Geografia

 

Municipal electronic atlas as a didactic alternative for school cartography

Abstract

Cartographic literacy is fundamental for the teaching of geography, since to read the space the student needs to interpret maps, images and other geographical representations. In recent years, many teaching materials have been developed involving recreational activities that arouse students' curiosity and interest. Thinking about School Cartography, Electronic Atlas come up with an innovative approach and greater interaction between the contents worked and the local reality. The student is encouraged to perform a critical analysis of his lived space, sometimes building it, sometimes deconstructing it through the observation of socioenvironmental elements, making the student arouse greater interest in the study of geographical space. In this perspective, the objective was to address the importance of studying the local space in the perspective of school cartography from the elaboration of an Electronic and Socioeconomic Atlas, for which a case study was carried out in the municipality of Restinga Sêca, RS. Methodologically, the municipality constituted by its census sectors was considered as a unit of spatial analysis. The Atlas has a partial interaction with the user, allowing the manipulation of a set of maps with predefined themes, and is supported by multimedia resources with texts, images and animations. Thus, there was greater interactivity in the teaching of Geography, articulating the proposed content with the space experienced by the student.

Keywords

School Cartography, Electronic Atlas, Geography teaching

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angélica Cirolini, Universidade Federal de Pelotas

Professora Doutora da Universidade Federal de Pelotas

Roberto Cassol, Universidade Federal de Santa Maria

Professor Doutor da Universidade Federal de Santa Maria

Alexandre Felipe Bruch, Universidade Federal de Pelotas

Professor Doutor da Universidade Federal de Pelotas

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

Cirolini, A., Cassol, R., & Bruch, A. F. (2021). ATLAS ELETRÔNICO MUNICIPAL COMO ALTERNATIVA DIDÁTICA PARA A CARTOGRAFIA ESCOLAR. Revista Brasileira De Educação Em Geografia, 11(21), 05–22. https://doi.org/10.46789/edugeo.v11i21.825