MENINO É AZUL E ÁGUA NO MAPA TAMBÉM:

cartografia, cores, convenções e cultura

Autores

  • Jörn Seemann Ball State University

DOI:

https://doi.org/10.46789/edugeo.v10i19.909

Resumo

Cartógrafos nem sempre usaram azul como cor convencional para corpos d’água em mapas. Essa estandardização apenas ocorreu no século XIX devido a avanços nas técnicas de produção. A partir de uma discussão sobre o uso de cores na cartografia e na cultura, esse texto reflete sobre a significação e ressignificação de símbolos na cultura popular e nos mapas. Através de exemplos da rede social, da história da cartografia e de mapeamentos indígenas, argumenta-se que a compreensão de cores não é um fenômeno universal ou uma convenção inquestionável. A seleção de cores não pode ser separada de valores culturais, embora os cânones da disciplina insistam na validade absoluta das suas normas que conferem uma segurança ontológica aos leitores e usuários de mapas. Essa desconstrução de convenções tem como objetivo refletir mais profundamente sobre as abordagens teórico-metodológicas sobre o uso de mapas no ensino de geografia, a concepção de símbolos como relações entre significado e significante e os problemas do modelo semiológico de Saussure que interpreta a cartografia como língua em vez de linguagem. Sugere-se um debate mais amplo para pensar sobre metodologias cartográficas que são mais inclusivas e levem em conta diversidade e cultura na educação. 

Palavras-chave

Cores convencionais, Símbolos na cultura, Segurança ontológica, Linguagem cartográfica

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-07-24

Como Citar

Seemann, J. (2020). MENINO É AZUL E ÁGUA NO MAPA TAMBÉM:: cartografia, cores, convenções e cultura. Revista Brasileira De Educação Em Geografia, 10(19), 23-44. https://doi.org/10.46789/edugeo.v10i19.909